terça-feira, 31 de março de 2015

Aplicações clínicas da FColina


Convido a todos a assistir o seminário “Aplicações clínicas da FColina”, proferido pelo Heitor Naoki Sado, médico do Centro de Medicina Nuclear HC-FM/USP.

Quinta-feira, 02/04/2015, às 9h, na sala de seminários do Centro de Radiofarmácia.
 
A FColina tem importante papel no ajuste de conduta para o tratamento de câncer de próstata e é um dos radiofármacos que o Centro de Radiofarmácia pretende oferecer brevemente à sociedade.

Encontro Científico de Medicina Nuclear da SBMN - Regional Rio de Janeiro


segunda-feira, 30 de março de 2015

Cardiac PET/CT imaging offers higher accuracy, better image quality than SPECT imaging

New heart imaging technology to diagnose coronary heart disease and other heart disorders is significantly more accurate, less expensive and safer than traditional methods, according to a new study by researchers from the Intermountain Medical Center Heart Institute in Salt Lake City.

Researchers at the Intermountain Medical Center Heart Institute compared Single Photon Emission Computed Tomography (SPECT), currently the most commonly used imaging diagnostic tool, with a new imaging technology -- coronary-specific Positron Emission Tomography (cardiac PET/CT).

They found the differences were dramatic.

Researchers found that cardiac PET/CT imaging diagnosed heart problems with certainty 88 percent of the time, while SPECT imaging gave a clear diagnosis only 30 percent of the time.
Results of the study were presented at the American College of Cardiology 64th annual Scientific Session in San Diego.

"We've found that cardiac PET/CT scans offer higher accuracy and much better image quality," said Kent Meredith, MD, cardiologist at the Intermountain Medical Center Heart Institute and the lead researcher of the study. "We have much more confidence in the results and there is far less radiation exposure for patients."

When the imaging procedure gives uncertain results, physicians must then use alternative invasive diagnostic techniques like coronary angiograms and cardiac catheters. Researchers found that cardiac PET/CT scans reduced the need for these additional procedures by more than 50 percent.

In addition to higher image quality and accuracy, cardiac PET/CT also eliminates most of the drawbacks of SPECT, which had difficulty scanning patients who were female, obese, or had prominent liver or GI tract activity. Cardiac PET/CT can easily scan all of those patients, Dr. Meredith said.

Both the SPECT and cardiac PET/CT scanners use a radioactive tracer to create an image of the heart. SPECT imaging emits a single electron with relatively low energy. Because the energy is low, it takes more of the radioactive tracer to make an image, and the image isn't very clear. In addition to a higher dose of radiation, the SPECT radioactive tracer has a very long half-life and will remain in the patient's system for up to two days.

Cardiac PET/CT imaging uses two high-energy electrons for the radioactive tracers. Since the electrons are high-energy, a much smaller dose is required and the image quality is far better. The half-life of the radioactive tracer is only two minutes and the radiation is completely out of the patient's system within 20 minutes.

For years, physicians have primarily used SPECT scans to diagnose coronary artery disease and other heart problems. However, use of cardiac PET/CT imaging is growing.

To verify the difference between cardiac PET/CT and SPECT scans for diagnosing heart problems, researchers compared outcomes of patients at the Intermountain Medical Center Heart Institute who were scanned using the SPECT scanner in 2012 to those scanned by the PET scanner in 2013. They screened from a pool of 1,000 patients from each year, and narrowed it down to 197 SPECT patients and 200 cardiac PET/CT patients who had both an imaging test and a heart catheter.

The study also looked at how often each scan falsely diagnosed a patient with a heart condition. Researchers found that the SPECT gave a false positive about six percent of the time, while the cardiac PET/CT imaging never gave a single false positive during the study period.

"The results of the cardiac PET/CT imaging were very dramatic. A significant improvement over SPECT imaging," said Dr. Meredith.

The more accurate results offered by cardiac PET/CT imaging translates into a greatly reduced need for invasive diagnostic procedures, which pose more risks to patients and are more expensive. That means cardiac PET/CT imaging eliminates unnecessary invasive procedures, which saves patients money and reduces their risks of complications and infections.

Using the cardiac PET/CT also reduces the amount of radiation patients are exposed to by a factor of 10. SPECT scans typically give patients a 30 milliSeivert dose of radiation while the dose from the cardiac PET/CT is just 2 milliSeiverts.

[18F]FDG-PET/CT for the diagnosis of patients with fever of unknown origin

Abstract

DOI: http://dx.doi.org/10.1093/qjmed/hcu193 289-298 First published online: 10 September 2014

Background and aims: The diagnosis of patients with fever of unknown origin (FUO) remains a challenging medical problem. We aimed to assess the diagnostic contribution of 18-fluoro-2-deoxy-D-glucose positron emission tomography (FDG-PET)/computed tomography (CT) for the evaluation of FUO.
Methods: We performed a 4-year retrospective single-center study of all hospitalized patients that underwent FDG-PET/CT for evaluation of FUO. The final diagnosis of the febrile disease was based on clinical, microbiological, radiological and pathological data available at the final follow-up. Predictors for a contributory exam were sought.
Results: One hundred and twelve patients underwent FDG-PET/CT for the investigation of FUO in the years 2008–2012 and were included in the study. A final diagnosis was determined in 83 patients (74%) and included: infectious disease in 49 patients (43%), non-infectious inflammatory disease in 17 patients (16%), malignancies in 15 patients (14%), other diagnoses in 2 patients (1.7%), FUO resolved with no diagnosis and no evidence of disease during a 6-month follow-up in 23 patients (20%), and death with fever and with no diagnosis in 6 patients (5%). Seventy-four FDG-PET/CT studies (66%) were considered clinically helpful and contributory to diagnosis (46% positive contributory value and 20.5% contributory to exclusion of diagnosis). PET/CT had a sensitivity of 72.2%, a specificity of 57.5%, a positive predictive value (PPV) of 74.2% and a negative predictive value (NPV) of 53.5%. On multivariable analysis, significant predictors of a positive PET/CT contributory to diagnosis were a short duration of fever and male gender.
Conclusions: PET/CT is an important diagnostic tool for patients with FUO.

Patient Dosimetry in Nuclear Medicine

Corresponding author: soren.mattsson@med.lu.se

In diagnostic nuclear medicine, the biokinetics of the radiopharmaceutical (actually of the radionuclide) is determined for a number of representative patients. At therapy, it is essential to determine the patient's individual biokinetics of the radiopharmaceutical in order to calculate the absorbed doses to critical normal organs/tissues and to the target volume(s) with high accuracy. For the diagnostic situations, there is still a lack of quantitative determinations of the organ/tissue contents of radiopharmaceuticals and their variation with time. Planar gamma camera imaging using the conjugate view technique combined with a limited number of SPECT/CT images is the main method for such studies. In a similar way, PET/CT is used for 3D image-based internal dosimetry for PET substances. The transition from stylised reference phantoms to voxel phantoms will lead to improved dose estimates for diagnostic procedures. Examples of dose coefficients and effective doses for diagnostic substances are given. For the therapeutic situation, a pre-therapeutic low activity administration is used for quantitative measurements of organ/tissue distribution data by a gamma camera or a SPECT- or PET-unit. Together with CT and/or MR images this will be the base for individual dose calculations using Monte Carlo technique. Treatments based on administered activity should only be used if biological variations between patients are small or if a pre-therapeutic activity administration is impossible.

Link original: http://rpd.oxfordjournals.org/content/early/2015/03/26/rpd.ncv061.short?rss=1

sexta-feira, 27 de março de 2015

IPEN normaliza fornecimento de substâncias usadas na medicina nuclear

Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil
A paralisação do Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN), em São Paulo, iniciada no dia 9 de março, chegou ao fim. Os funcionários reivindicavam a manutenção de uma gratificação que havia sido retirada no mês passado. Por meio de decreto publicado no Diário Oficial da União no dia 20, ficou garantida a concessão da gratificação específica de produção de radioisótopos e radiofármacos.
A produção e o fornecimento de produtos para a medicina nuclear, como o flúor-18, estão normalizados desde terça-feira. A substância é utilizada no exame PET-CT, que ajuda a diagnosticar doenças como o câncer de pulmão, câncer colorretal e linfomas de Hodgkin e Não-Hodgkin. A greve colocou em alerta a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear e laboratórios, porque o IPEN é o principal fornecedor de material radioativo médico do país.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Paralisação no IPEN chega ao fim

Por meio de Decreto as reivindicações são atendidas e o fornecimento de Fluor -18 é regularizado no País


Após a publicação do Decreto nº. 8.421 de 20 de março, no Diário Oficial da União (D.O.U.), que prevê a concessão da gratificação específica de produção de radioisótopos e radiofármacos (GEPR) do Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN), os funcionários retomaram suas atividades e suspenderam a paralisação iniciada em 9 de março.
Com isso, a distribuição da substância foi normalizada desde 24 de março, conforme informação obtida pela Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN). A entidade tem acompanhado os desdobramentos da mobilização do IPEN desde o seu princípio. “Graças à medida, que atendeu as reivindicações dos profissionais, o fornecimento do Fluor-18 aos serviços de medicina nuclear brasileiros foi reestabelecido”, avalia o presidente da Sociedade, Claudio Tinoco.
Segundo o artigo 1º. da normativa “este Decreto regulamenta a concessão da Gratificação Específica de Produção de Radioisótopos e Radiofármacos - GEPR, devida aos servidores titulares dos cargos de provimento efetivo integrantes das Carreiras de Pesquisa em Ciência e Tecnologia, de Desenvolvimento Tecnológico e de Gestão, Planejamento e Infraestrutura em Ciência e Tecnologia, de que trata a Lei no 8.691, de 28 de julho de 1993, e do Quadro de Pessoal da Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN que, no âmbito do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN, do Instituto de Engenharia Nuclear - IEN, do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear - CDTN e do Centro Regional de Ciências Nucleares do Nordeste - CRCN-NE, executem atividades diretamente relacionadas à produção de radioisótopos e radiofármacos, enquanto se encontrarem nessa condição”.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Projeto SBMN: Expansão da Medicina Nuclear no Brasil


Com o objetivo de aperfeiçoar e fortalecer a medicina nuclear no Brasil, a SBMN convoca todos a contribuírem com o projeto de expansão da especialidade no País.
Recentemente, o presidente da SBMN, Claudio Tinoco, e o diretor George Coura Filho foram recebidos em audiência no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e apresentaram ao ministro Aldo Rebelo proposta de um plano de desenvolvimento da especialidade.
Na ocasião, Tinoco e Coura Filho estavam acompanhados do presidente da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN/MCTI), Angelo Padilha, que levantou a possibilidade de criar um plano e acrescentou que não apenas a CNEN apoiaria, mas que seria estabelecida uma atuação conjunta para alcançar essa meta.
Diante da receptividade do MCTI à proposição, a SBMN convida seus associados e demais interessados a enviarem sugestões referentes a iniciativas que venham a impulsionar a medicina nuclear em suas diferentes esferas de atuação.
​Participe! Acesse o formulário online e compartilhe suas proposições até 27 de abril.


terça-feira, 24 de março de 2015

SBMN participa de posse do novo presidente da Finep


A SBMN esteve presente na posse do novo presidente da Finep – Inovação e Pesquisa. O cientista político Luis Manuel Rebelo Fernandes assume o cargo pela segunda vez, tendo-o exercido no período de 2007 a 2011. O evento de posse foi bastante concorrido, reunindo mais de 700 pessoas em dois anfiteatros na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) nesta segunda-feira, 23 de março.

O presidente da SBMN, Claudio Tinoco, participou da solenidade, que também contou com a presença do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes; do Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo; e do presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

“A Finep desembolsou valores recordes nos últimos anos. Os responsáveis pelos avanços foram os funcionários que tiveram um plano de cargos e carreira que reduziu a rotatividade em 80%. Os programas de inovação e ciência básica vieram da Finep e hoje são programas de governo”, considerou o presidente da SBMN.

Para o novo presidente da Finep, o principal desafio é tornar os investimentos em ciência e tecnologia mais produtivos para o País. “Promover o desenvolvimento nacional é a chave para o sucesso da Finep.  A entidade tem que atuar em toda a cadeia produtiva promovendo e disseminando a inovação, para consolidar e ampliar as fontes regulares de captação de recursos para apoio à inovação nacional”, colocou Fernandes em seu discurso de posse.

O novo presidente da Finep é professor da PUC RJ e da UFRJ - graduado em Relações Internacionais. Já foi presidente da Finep em 2007 e é vascaíno convicto e faz parte da Diretoria do Vasco da Gama sendo Presidente do Conselho Gestor.

Foto: Claudio Tinoco - presidente SBMN com Aldo Rebelo - Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação

domingo, 22 de março de 2015

Vitamina D na Prática Clínica


Palestrante: Dra. Marta Sarquis 
- Médica Endocrinologista
- Professora Associada do Departamento de Clínica Médica da UFMG

Data: 30 de Março 2015
Local: AMMG - Av. João Pinheiro, 161 - Centro - 30130-180- Belo Horizonte/MG 
Tel: (31) 3247.1600  e-mail: smexe@ammgmail.org.br
Confecção de certificado eletrônico para os inscritos, o qual será encaminhado posteriormente por e-mail. 
Necessário inscrição prévia por este site e assinar lista de presença no dia do evento.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Termina neste sábado curso de Tecnologia Nuclear promovido pelo CRPq/IPEN

Termina neste sábado, 21, o curso de extensão em Tecnologia Nuclear promovido pelo Centro do Reator de Pesquisas (CRPq) para graduandos e graduados em diversas áreas do conhecimento, com o objetivo principal de atrair potenciais interessados para a pós-graduação do Instituto.

Esta é a primeira vez que o CRPq realiza curso de extensão para esse público. O Centro já havia sido pioneiro na organização do projeto Escola Avançada de Energia Nuclear - EAEN (2008-2012), para estudantes de ensino médio, em parceria com outras unidades do IPEN.

Segundo os organizadores, os pesquisadores Renato Semmler e Paulo Sérgio Cardoso da Silva, além de atrair estudantes para a pós-graduação do IPEN, o curso ajuda a divulgar as aplicações benéficas da energia nuclear e, ao mesmo tempo, proporciona a capacitação didática dos servidores do CRPq por meio de atividades de ensino para esse público específico.

"Nossa ideia é estimular o interesse pela área nuclear através de várias atividades teóricas e práticas de física nuclear e aplicações da energia nuclear, que normalmente não fazem parte do conteúdo dos cursos de graduação desses estudantes. E eles terão a oportunidade de contato direto com cientistas em plena atividade em um dos maiores centros de pesquisas na área nuclear da América Latina, o IPEN”, afirmou Semmler.

Ciência na vida moderna
O curso teve início em 28 de fevereiro e se estendeu por quatro sábados consecutivos, sempre das 9h às 13h, no auditório Rômulo Ribeiro Pieroni. O panorama da energia nuclear no Brasil, noções de proteção radiológica, física de nêutrons e as pesquisas realizadas no Reator Nuclear de Pesquisas IEA-1 do IPEN foram alguns dos tópicos abordados.
 
"O curso também é uma forma de prestação de serviços à comunidade, uma vez que pretendemos divulgar a importância da atividade científica e a sua inserção na vida moderna, além de incentivar práticas de cidadania, ética e responsabilidade social”, acrescenou Paulo Sérgio.
 
Exemplo para outros Centros
As aulas foram programadas aos sábados para que os alunos que trabalham pudessem participar e também para não interferir no compromisso daqueles que estudam durante o dia. Inicialmente, seriam oferecidas 40 vagas, mas 162 candidatos se inscreveram. "Tivemos que encerrar as inscrições após duas semanas e resolvemos acolher todos os inscritos. Por isso as aulas no auditório do Instituto”, explicou Semmler. 

Inscreveram-se alunos graduandos e graduados nos cursos de física, física médica, química, engenharia química, biologia, ciências biológicas, biomedicina, engenharia de produção, engenharia elétrica, engenharia de manufatura, engenharia mecânica, matemática, estatística, engenharia ambiental, entre outros, de diversas instituições.  O curso encerra-se no dia 21 de março. 

Ao todo, estão envolvidos 15 pesquisadores, dois supervisores de proteção radiológica, um tecnologista, quatro alunos de mestrado e cinco alunos de doutorado. A inciativa do CRPq divulga as pesquisas desenvolvidas e deve ser encampada por outras unidades do IPEN.

Iniciação Científica
A estudante Taís de Queiroz Batista, 18, do curso de Tecnologia em Radiologia, nas Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), disse que, a julgar pelo primeiro módulo, a experiência será bastante produtiva. Ela pretende desenvolver projeto de Iniciação Científica no IPEN, na área de detectores de radiação, sob a orientação da pesquisadora Maria da Conceição Costa Pereira, do Centro de Tecnologia das Radiações (CTR/IPEN).

CEN/IPEN é referência na prestação de serviços para a Eletronuclear


No Brasil, quando se pensa em produtos e serviços tecnológicos na área nuclear, pode-se afirmar que o Centro de Engenharia Nuclear (CEN/IPEN) é a maior referência. O principal cliente é a Eletronuclear (ETN), responsável pela operação do parque nuclear brasileiro, que compreende hoje as Usinas Angra I e Angra II, e Angra III, em construção.

Nos próximos cinco anos, o Grupo de Engenharia do Combustível do CEN estará responsável pela "Inspeção visual de elementos combustíveis, elementos de controle e componentes descarregados do núcleo do reator, durante as Paradas Técnicas Programadas” de ambas as usinas Angra I e Angra II. Além disso, o grupo de Física de Reatores e Operação, do reator de pesquisa IPEN/MB-01, ficará responsável pelos "Testes Físicos de Partida da Usina de Angra I”, última atividade da parada do período de manutenção, antes de a usina entrar em pleno funcionamento. Este teste dá o sinal verde, autorizando um novo ciclo de operação da usina, que levará mais um ano, até uma nova parada programada.

De acordo com Ulysses d’Utra Bitelli, gerente do CEN, os serviços tecnológicos de grande porte para a Eletronuclear são demandados por licitação. "Nós vencemos três importantes chamadas. É um grande feito para o IPEN, pois participaram do processo licitatório empresas de reconhecida competência, inclusive uma multinacional”. 

Bitelli ressalta que, para a Eletronuclear, há a vantagem de contratar um serviço de qualidade a um custo menor e em real, enquanto que, às multinacionais, o pagamento é feito em dólar. "E para nós, do IPEN, também é importante, porque o trabalho de operação na usina nos permite sempre atualizar e ampliar os nossos conhecimentos, já que os nossos reatores nucleares, IEA-R1 e IPEN/MB-01, são reatores de pesquisa”, disse. 

Vale destacar que, internamente, o CEN realiza junto a esses reatores do IPEN um constante trabalho de acompanhamento, garantindo a segurança e  modernização das instalações nucleares.

O reator IEA-R1 é utilizado basicamente na produção de radiofármacos e em pesquisa nuclear básica. O reator IPEN/MB-01, em pesquisa na área de reatores, sendo benchmark internacional, isto é, um padrão de comparação internacional na área de analise de criticalidade em física de reatores, que permite a simulação, em escala reduzida, de todas as características nucleares de um reator de grande porte. "No entanto,  é muito importante que tenhamos a experiência em plantas nucleares com reatores produtores de energia elétrica, como é o caso das usinas de Angra I e II. Isso cria um círculo virtuoso extraordinário para o nosso Centro”, afirmou Bitelli, acrescentando que essa experiência se reflete hoje no apoio ao projeto RMB, do qual o CEN participa como o principal centro da CNEN. 

Rejeito não é lixo
Na avaliação de Bitelli, o ano de 2014 foi "excepcional”, porque, além dos três editais ganhos, "também conseguimos, após anos de indefinições jurídicas entre CNEN e ETN, firmar parceria tecnológica para o "Serviço de determinação do ativo isotópico de rejeitos radioativos”. Trata-se de uma atividade de P&D fundamental, uma vez que o Brasil necessita definir onde vai depositar seus resíduos de baixa e média atividades gerados nas Usinas de Angra I, II e, no futuro, Angra III, bem como todo rejeito gerado no país.

Apesar de comum, o termo "lixo nuclear” não é adequado, por ser de uma "riqueza fantástica". Dentro dos rejeitos das usinas encontra-se, por exemplo, o molibdênio-99, que fornece o tecnécio-99m,  responsável pela maioria dos exames de medicina nuclear.

De acordo com Alfredo José Alvim de Castro, nas usinas de reprocessamento é que são tratados os rejeitos de alta atividade. Nelas é possível retirar parte do combustível nuclear que não foi queimada (consumida), além de várias substâncias. Ele explica que, por exigência do Ministério Público, o Brasil precisa definir o repositório nacional de baixa e média atividade (local, tipo de blindagem, forma de armazenamento etc.), mas, para isso, é necessário conhecer o termo fonte dos produtos radioativos que vão emitir radiação. Hoje, eles estão confinados em tambores, no sitio das usinas Angra I e Angra II.

"Se você coloca um detector em frente a um tambor, e se você conhece esse termo fonte, você é capaz de dizer quais são os elementos que estão lá dentro, sem abrir o tambor e sem analisar o conteúdo, apenas pelo nível de radiação emitido na superfície do tambor. Assim é possível determinar o que é rejeito de baixa atividade, o que é de média atividade, e para onde vão esses rejeitos. O acordo sobre determinação do ativo isotópico é para saber qual é o ativo das usinas Angra I e Angra II e definir o modelo de repositório", explicou Bitelli. Os coordenadores da CNEN para esta atividade são os pesquisadores Paulo de Tarso D. Siqueira e Luis Antonio A. Terremoto.

Qualidade
O CEN implantou um sistema de Gestão da Qualidade em 2001, quando foi submetida a certificação ISO 9001/2000, que depois foi revisada em 2008 e mantida. "Em dezembro de 2014 o Sistema de Gestão da Qualidade do CEN foi auditado pela Fundação Vanzolini e foi recertificado”, disse Gerson Antonio Rubin, responsável por administrar e manter o sistema, acrescentando que auditorias de manutenção ocorrem anualmente e de recertificação ocorre a cada três anos.

Para obter a certificação, o CEN implantou uma série de procedimentos que estabelecem as diretrizes para o Sistema de Gestão da Qualidade, ou seja, regulam as atividades envolvidas no IPEN, em conformidade com tais diretrizes. "No nosso caso, somos certificados no escopo para a prestação de ‘Serviços Tecnológicos em Sistemas Energéticos e Nucleares’, sendo todas as  atividades, externas ou internas, regidas pelos procedimentos encampados por essa certificação, os quais procuramos seguir rigorosamente para garantir a qualidade na prestação dos serviços aos nossos clientes", disse Rubin.

Segundo o  gerente adjunto do CEN, Leslie de Molnary, esta certificação é  exigência de vários certames licitatórios, "além de ser um importante diferencial da qualidade dos nossos serviços de engenharia".


quarta-feira, 18 de março de 2015

Atualização de MN em Radiofarmácia é tema de encontro no RJ


Atualização científica de Medicina Nuclear em Radiofarmácia é o tema do primeiro encontro da SBMN-RJ. Dois palestrantes estarão presentes. O especialista Jorge Wagner falará sobre as principais mudanças e impactos na prática clínica da Norma CNEN 3.05. Conceitos e boas práticas em Radiofarmácia será o tema da palestra de Priscilla Pujatti.
O encontro será realizado no dia 14 de abril, das 19h às 21h, no Colégio Brasileiro de Cirurgiões do Rio de Janeiro, localizado à Rua Visconde Silva, 52 - Botafogo, Rio de Janeiro - RJ.

terça-feira, 17 de março de 2015

Tumores Neuroendócrinos é tema de encontro da SBMN


“O Papel da Medicina Nuclear no Diagnóstico e no Tratamento dos Tumores Neuroendócrinos” é o tema da primeira atividade oficial da seção de Brasília da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN). O encontro acontece em 19 de março, das 19h30 às 21h30, com Marcus Grigolon (Médico Nuclear da Clinica Villas Boas) e Gustavo Gomes (Médico Nuclear e Diretor de Qualidade do Grupo Núcleos), e moderação de Sérgio Altino de Almeida.
O evento será realizado na AMBr - Associação Médica Brasileira (SCES Trecho 03 Conj. 06).
Vagas limitadas - Faça sua inscrição no site www.sbmn.org.br
 
Esta Reunião tem o Patrocínio da Nuclear Serviços Eletrônicos


Encontro Multidisciplinar de Câncer de Tireoide acontece em abril

A segunda edição do Encontro Multidisciplinar de Câncer de Tireoide da Beneficência Portuguesa de São Paulo será realizado em 11 de abril. Atualidades no tratamento clínico, cirúrgico e com iodo radioativo da neoplasia bem diferenciada da tireoide serão abordados na ocasião.
A Medicina Nuclear estará presente com o tema "Como selecionar os pacientes para a terapia de radioiodo e quando utilizar o TSH recombinante".

Curso Intensivo de PET/CT da SBMN será em abril


A sétima edição do Curso Intensivo de PET/CT da SBMN será entre os dias 16 e 19 de abril de 2015, no Hotel Grand Plaza, em São Paulo. O curso, que tem uma carga horária de 30 horas, visa apresentar os princípios de funcionamento da PET/CT, noções de anatomia seccional e das principais aplicações do método na oncologia, sempre com uma abordagem direta e objetiva, seguida de sessões práticas de interpretação de imagens.
Nas sessões práticas, os participantes terão a oportunidade de analisar casos de PET/CT em PACS Workstations rodando o SOFTWARE Osirix (dois alunos por computador) e serão apresentados a técnicas de quantificação de lesões, reconstruções volumétricas e análise comparativa de múltiplos estudos.
Confira a programação: http://ow.ly/JIHSF        


Primeira reunião científica do ano promove discussão de casos


A Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN) realizou nessa segunda-feira (16) a primeira reunião científica do ano em São Paulo. Residentes da USP, do DIMEN e do Hospital Beneficência Portuguesa apresentaram casos com o tema “Avaliação de processos inflamatórios/infecciosos – Papel atual da medicina nuclear/PET-CT” em mesa moderada pelo Dr. Marcelo Tatit Sapienza. “É um momento de aprendizado e integração”, avaliou Tatit.
Os residentes Tássia Godoy, do Hospital Beneficência Portuguesa, Henrique Freddi, do DIMEN, E Bruno Padilha, do Hospital das Clínicas, apresentaram três casos em que exames de imagem foram essenciais para o diagnóstico e tratamento de pacientes.
Com a coordenação científica de Akemi Osawa, o evento contou com a participação de especialistas de todo o estado e também promoveu discussões sobre procedimentos e uso de radiofármacos.
A SBMN realizará outros eventos semelhantes ao longo do ano. Fique atento à agenda no site.


Unesp recebe inscrições para residência em MN


A Faculdade de Medicina de Botucatu - Unesp está com processo seletivo em aberto para o preenchimento de vagas de Residência Médica em diversas áreas, inclusive, em Medicina Nuclear.
As inscrições serão realizadas somente a partir das 10h, do dia 17 de março, até 16h, do dia 18 de março, através do sitewww.fmb.unesp.br. O programa tem a duração de três anos, com início em 27 de março de 2015. O processo seletivo se dará com prova escrita objetiva em 23 de março e arguição de currículo.
Confira o edital: 

sexta-feira, 13 de março de 2015

6º Congresso Brasileiro de Densitometria, Osteoporose e Osteometabolismo (BRADOO)


SBMN encaminha carta ao presidente da CNEN


Preocupada com a manutenção da produção nacional de radioisótopos e radiofármacos no Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN), a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN) encaminhou carta à Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). Desde o dia 9 de março, teve início uma paralisação dos funcionários do IPEN, em decorrência de iminente corte de gratificação por estas atividades desempenhadas.
Endereçado ao presidente, Angelo Fernando Padilha, o documento reafirma “o importante papel social desempenhado pelo IPEN-SP que é o fornecedor de mais de 80% dos radioisótopos utilizados no Brasil, garantindo, com alta qualidade e eficiência, o atendimento até hoje de mais de 30 milhões de brasileiros com exames diagnósticos e tratamentos fundamentais à manutenção da vida, como as mais de 550 doses semanais de iodo 131 utilizadas como tratamento de primeira linha para cânceres de tireóide recidivados e metastáticos”.

Em tempo, a SBMN tem a expectativa de que em breve a situação esteja normalizada.

Acesse a íntegra do documento:

Interrupção no fornecimento Fluor-18

Em entrevista à Agência Brasil de Notícias, presidente da SBMN esclarece impacto do desabastecimento



O fornecimento da substância conhecida como “Fluor-18”, um radioisótopo utilizado como matéria-prima para realização do PET-CT, um dos mais importantes exames diagnósticos empreendidos pela medicina nuclear, está interrompido pelo Instituto de Pesquisas Energéticas Nucleares (IPEN). Isso ocorre devido a paralisação dos funcionários do órgão.

Em entrevista à Agência Brasil de Notícias (Empresa Brasileira de Comunicação), a Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), por meio de seu presidente, Claudio Tinoco, esclareceu quanto aos impactos do desabastecimento do Fluor-18. Ele estima que mais de 2 mil exames PET-CT deixaram de ser feitos. “Anualmente, são feitos cerca de 100 mil exames PET-CT. O Flúor-18 dura somente duas horas, é impossível tê-lo armazenado na clínica e o fornecimento precisa ser diário para garantir o serviço”, explicou à Agência Brasil. (LEIA REPORTAGEM NA ÍNTEGRA)

​Ainda na matéria, “o responsável pelo Centro de Radiofarmácia do Ipen, Jair Mengatti, disse que os funcionários pararam em protesto pela falta de recursos para pagamento dos insumos importados e nacionais e pela interrupção de gratificação dos trabalhadores”.

Mais informações
Podem ser impactados os exames diagnósticos via PET-CT oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de câncer de pulmão de células não-pequenas; câncer colorretal com metástase exclusivamente hepática com potencial ressecável e linfomas de Hodgkin e não Hodgkin.  
Já por vias da saúde suplementar devem ser impactados as análises via PET de nódulo pulmonar solitário, câncer de mama metastático, câncer de cabeça e pescoço, melanoma e câncer de esôfago.  
Entenda o que é o PET-CT
Por meio da fusão de imagens de tomografia computadorizada convencional (CT, do inglês computed tomography) ao PET (do inglês pósitron emission tomography), originou-se o método híbrido ao qual se denomina “PET/CT”.
PET-CT é uma tecnologia que utiliza os radiofármacos e atua como ferramenta de diagnóstico e estadiamento de doenças, podendo também registrar a resposta de um determinado tumor aos tratamentos cirúrgico ou quimio-radioterápico.